MALTA: Relato de uma principiante

Marisa tinha prometido voltar. Luciana ainda não tinha opinião formada sobre este país com apenas 316 km. Aqui fica o relato de uma principiante.

A oportunidade para conhecer Malta surgiu de uma forma repentina e inesperada. O preço era apelativo e a Marisa vendeu-me o país muito fácil. Assim que me falou de Malta comecei a pesquisar sobre o país e a apaixonar-me pelas águas, arquitetura e cultura do mesmo. Sinceramente o meu conhecimento sobre este país era escasso e nem sabia o quão turístico era. Sabia que ficava perto de itália e conhecia a famosa Azure Window. E era isso. Assim que começamos a preparar a nossa viagem, o entusiasmo começou a crescer dia após dia. Comecei a pesquisar mais sobre a história do país, a ver mais vídeos de viagens a Malta e a pesquisar pontos turísticos e locais que poderiam ser interessantes para ambas (embora a Marisa já conhecesse grande parte).

Desta vez não foi preciso fazer o câmbio da moeda, em Malta utilizam o Euro também,  por isso não perdemos tempo a fazer contas de taxas de câmbio e afins. A língua mais falada é o inglês – também por ser um destino essencialmente turístico – mas também falam maltês (só ouvi pessoas mais idosas a fazê-lo).

Mal chegamos ao aeroporto de Malta fomos buscar o carro que alugámos e seguimos para o hotel. Ficamos no Hotel Huli que ficava a cerca de 30 minutos do aeroporto.

Huli Hotel & Apartments

Como chegámos às 23h ao apartamento só visitamos um pouco as redondezas (e aproveitámos para comprar água). As ruas ainda tinham algum movimento, talvez por ser sexta à noite, e ainda vimos uma espécie de despedida de solteiro onde estavam a cantar Bella Ciao ( música que passa na série “La Casa de Papel”). Foi um momento engraçado, porque andávamos a assistir a série naquele momento.

IMG_20180414_003951

Antes de dormirmos ainda falámos sobre o nosso plano para a manhã seguinte. Acordar bem cedinho (ao qual já estamos habituadas) e visitar a Mdina e Rabat. E assim foi (mais ou menos)!

As nossas viagens de carro eram sempre emocionantes! Já não bastava a condução ser pela esquerda, as ruas tinham buracos até ao centro da Terra, os condutores eram muito impacientes e à mínima coisa buzinavam, o estacionamento não era muito fácil e o GPS, por vezes, gostava de ainda tornar a viagem mais emocionante mandando-nos para caminhos sem saída, locais sem povoação ou para bairros duvidosos. Mas tínhamos momentos muito engraçados!

Antes de seguirmos viagem para o centro fomos tomar o pequeno-almoço, perto do apartamento.  O nosso plano era gastar o mínimo possível. Então acabámos por comer um brunch por 5€ para as duas.

Brunch

Mdina foi dos locais que mais gostei de visitar. Era a antiga capital de Malta (atualmente é Valeta) e é conhecida como a “cidade silenciosa”, fiquei eu a conhecer. Gostei muito das ruas estreitas ( estreitas mesmo!), das igrejas, dos mosteiros e das vistas.

Ruas Mdina

IMG_20180414_121119

A Mdina foi construída num topo do planalto por isso consegue-se ver vistas fantásticas mas também tem uma desvantagem, o vento! E sofremos bastante com ele nos 3 dias de viagem.

IMG_20180414_115457

Acabámos por não visitar o centro de Rabat mas fomos às Catacumbas de St.Paul’s que ficava perto. Sobre as catacumbas estava à espera de melhor, sinceramente. O espaço era amplo mas os cemitérios espalhados pela área eram todos muito semelhantes e não existia algo interativo. O preço do bilhete foi 5€/pessoa.

IMG_20180414_130302_HHT

Durante os 3 dias tentámos sempre fazer refeições baratas, que não ultrapassa-se os 5€/refeição.  Pela tarde decidimos ir a Marsaxlokk Bay ver os típicos barcos com os desenhos de olhos.

IMG_20180414_160838.jpg

Mas o melhor ainda estava por vir. Para mim o melhor dia foi no Domingo quando fomos visitar a ilha de Gozo. Foi a primeira vez que entrei de carro num Ferry Boat. Uma sensação estranha mas emocionante. E a própria viagem em si também! (embora o vento não fosse muito agradável). Essa durou cerca de 30 minutos e conseguiu-se ver já a cor fantástica daquelas águas.

IMG_20180415_114502

Em Gozo, a primeira coisa a visitar foi a famosa Azure Window que agora, já não tem a forma como antes (em março de 2017 a estrutura caiu). É um local bastante agradável e chegamos cedo, significa isso que não havia muita gente. Perto da Azure Window também existe uma praia e grutas – onde alguns barcos fazem tours.

IMG-20180415-WA0100

IMG_20180415_124940.jpg

Também visitamos a praia de Ramla Bay e a Basílica de Ta’Pinu.

Juntamente com a Mdina, a Cittadella foi dos locais que mais gostei de visitar nesta nossa visita a Malta. A Cittadella fica em Vitoria e é uma cidade da idade do bronze. Fortalezas, castelos, muralhas, igrejas. Na minha opinião é muito semelhante à Mdina (até no vento que se sentia!).

IMG_20180415_142619

IMG-20180415-WA0026

Adorei Gozo! E foi lá que provamos o famoso Pastizzi – o meu de ricotta e espinafres.

Esse dia foi em cheio! Depois de visitarmos a Red Tower – que não achei nada de especial – terminámos o dia a jantar num restaurante italiano (já na ilha de Malta) e ainda fomos beber um cocktail a um “bar” – demorámos algum tempo a encontrar um sítio perto com bom ambiente.

O último dia ficou reservado para visitarmos a ilha de Comino. A Marisa ainda me queria mostrar a verdadeira cor daquelas águas. E fiquei completamente rendida! Nunca tinha visto algo assim! Podes comprovar no vídeo que fizemos sobre a ilha.

IMG-20180416-WA0045

E assim foi a viagem a Malta! Entrei neste país sem opinião e saí com uma boa impressão. É um ótimo local para visitar, passar uns dias, descansar e aproveitar o bom clima que por ali faz!

Se tiverem oportunidade de ir a Malta vão! Não se vão arrepender.

Deixe uma resposta